quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Como conseguir um trabalho sem ter experiência profissional

Quem está procurando pelo primeiro emprego se vê numa posição bem complexa e paradoxal: não conseguem um emprego porque a principal exigência das empresas é ter experiência profissional, mas também não conseguem ter experiência profissional se ninguém nunca chamar eles para um cargo!
A situação parece um beco sem saída e muita gente se sente impotente, sem saber o que pode fazer para mudar isso. Por isso mesmo a gente está aqui, para te mostrar que existem algumas maneiras de impressionar os recrutadores, mesmo se você não tiver a tão desejada experiência profissional no seu currículo. Quer saber como?

Mostre as suas habilidades… de outro jeito

Quando uma empresa coloca na descrição da oportunidade que está procurando por um candidato com experiência ela não está dizendo necessariamente que só irá contratar um profissional que já trabalhou antes. Na verdade, o que mais importa aqui é se você tem ou não as habilidades necessárias para realizar as tarefas do cargo que estão oferecendo. E existem outras maneiras de mostrar isso!
Descreva as suas habilidades – tanto no currículo quanto na entrevista de emprego – e demonstre de maneira concreta que você sabe realmente fazer aquilo! Você pode usar como exemplo da habilidade um trabalho de faculdade que você precisou executar algo parecido com o que a oportunidade exige, um trabalho voluntário que você participou, uma ajuda que deu para algum amigo.

Não tenha medo de começar de baixo!

Procure por oportunidades de entrada naquelas empresas que mais combinam com você. Não tem problema se o cargo for menor do que você imaginava estar – é o seu primeiro emprego, aceite isso. É importante mostrar para o entrevistador que você quer esse trabalho justamente para mostrar o seu melhor e crescer junto com a companhia. Uma vez lá dentro, se empenhe ao máximo para mostrar o seu valor.

Comece a trabalhar para você mesmo

Toque os seus projetos pessoais ou se junte com alguns amigos e faça coisas incríveis na área que você quer atuar. Além de você produzir algo que servirá para mostrar ao recrutador que você tem as habilidades que ele procura em um candidato, sempre existe a chance da sua ideia dar super certo e você transformar o seu projeto no seu trabalho!

Faça cursos, muitos cursos!

Conhecimento nunca é demais, e em uma entrevista de emprego ele tem muito valor! Aproveite o “tempo livre” para fazer o máximo de cursos possíveis e participar de eventos na sua área. Hoje existem muitos cursos gratuitos na internet, então a falta de dinheiro não é desculpa.
Além de colocar os cursos no currículo, entenda qual foi a contribuição de cada um para te tornar um profissional melhor. Saber identificar o que te faz evoluir e como isso acontece é uma ótima qualidade que os recrutadores valorizam nos candidatos.

Entenda se você é a pessoa certa para a vaga

Quando você é avaliado para uma oportunidade, o entrevistador não está apenas querendo saber se você tem as habilidades necessárias para o trabalho; ele quer descobrir se você combina com a empresa. Isso significa compartilhar os mesmos valores da companhia, ter as mesmas crenças, saber se você irá se adaptar à cultura organizacional, essas coisas.
A nossa dica é que você leia tudo o que conseguir encontrar sobre como é trabalhar nessa empresa e quais são os valores dela. Você precisa pensar se você gostará do ambiente, se concordará com as políticas (home office, dress code, por exemplo), se combina com as pessoas que serão os seus colegas, essas coisas. Entenda se é isso mesmo que você quer para a sua vida e se você se sentirá motivado para levantar todas as manhãs para ajudar esta empresa a alcançar os seus objetivos.
Quer saber quais são as empresas que mais combinam com você? Então clique no banner abaixo e faça o 99match que a gente te mostra! 
Essa matéria foi publicada originalmente pelo Inquietaria do 99Jobs. 

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Como evitar erros ao trocar de emprego

Especialistas ensinam a blindar sua carreira contra decisões equivocadas

Por Mariana Poli
Indecisão: como ter certeza se está preparado para uma promoção de cargo | <i>Crédito: Pexels
Indecisão: como ter certeza se está preparado para uma promoção de cargo | Crédito: Pexels
Como saber se vale a pena mudar de emprego e de empresa? Ou como ter certeza se está preparado para uma promoção de cargo? 

Além de fazer uma reflexão profunda sobre competências, pontos fracos, sonhos e expectativas profissionais, o candidato à nova vaga deve tomar medidas simples e eficazes, como ensinam os quatro especialistas a seguir.

1. Tenha um plano de carreira bem desenhado 
“É importante que o profissional saiba onde está e aonde quer chegar e avalie a própria situação profissional a cada trimestre. Quem tem clareza do que deseja para a carreira, dificilmente faz escolhas erradas. Muitos dos que enfrentam um desvio de rota não têm definido quais são seus valores e o que os motiva de fato. Isso os leva a aceitar cadeiras por questões imediatistas, sem avaliar qual é o perfil de profissional que aquele cargo exige. Com o tempo, começará a não bater as metas e a enfrentar problemas, justamente por não ter clareza da motivação”, diz Fabiana Monteiro, coach e autora do primeiro volume do livro Histórias de Sucesso, em que traz cases bem-sucedidos de grandes executivos. 

2. Investigue a cadeira que irá ocupar 
“Os maiores desvios acontecem quando se oferece a um jovem gerente, por exemplo, um cargo de diretor. A empresa em que estamos não nos promoverá na mesma rapidez que uma outra. É preciso ter muita atenção à ambição desmedida. Muitos ficam tão atraídos pelo título que não fazem nem uma pesquisa básica: qual é o perfil desta cadeira que estão me oferecendo? Se é gerente há seis meses, não saia correndo só porque estão oferecendo um cargo superior ao seu. E, se optar pela mudança, saiba exatamente o que buscam. Questione o que a empresa espera de você em 30 dias, seis meses, um ano”, diz Magui Castro, sócia da consultoria Caldwell Partners.

3. Conheça os valores da companhia contratante 
“É extremamente importante saber quais são os valores da companhia para a qual está  migrando. Um encaixe positivo entre os valores do funcionário e os da empresa alavanca a performance e cria condições favoráveis para o dia a dia no trabalho. Se existe algo que o impacta negativamente, o profissional começa a querer abandonar o barco. Qualquer profissional precisa fazer, hoje, uma boa gestão de sua carreira. Ter conhecimento daquilo que valoriza e mais gosta de executar evita gastar uma energia absurda com uma troca de emprego equivocada”, diz Margareth Columa, diretora da consultoria Lee Hecht Harrison.

4. Estabeleça um acordo prévio com a chefia 
“Ao aceitar uma promoção ou uma mudança de cargo dentro da sua empresa, faça um acordo prévio com os gestores. Antes de realizar o movimento, expresse que aceita o desafio e está lisonjeado pelo convite, mas deseja fazer um teste na nova função. Questione, também, se poderá voltar ao posto anterior caso não se adeque e pergunte com bastante clareza quais serão as alternativas caso não dê certo na vaga. O empregado que busca uma contrapartida reduz as chances de ficar rendido no futuro”, afirma José Roberto Marques, presidente do IBC (Instituto Brasileiro de Coaching).

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

10 empresas que oferecem carreira internacional para brasileiros

Pesquisa inédita indica empresas que são elogiadas pelos funcionários brasileiros por conta da oferta de trabalho no exterior

São Paulo – A construção de uma carreira internacional começa bem antes de você colocar os pés para fora das fronteiras brasileiras porque é preciso trazer essa possibilidade do domínio onírico para a sua realidade profissional. Trabalhar para uma empresa que conceda essa oportunidade a seus funcionários é, portanto, o primeiro passo rumo ao exterior.
Novo levantamento divulgado pelo site Love Mondays é útil para quem sonha em trabalhar fora do Brasil justamente porque mostra quais são as empresas no Brasil que são mais elogiadas pela oferta de vagas no exterior.
“São postagens espontâneas dos usuários do site”, diz a CEO do Love Mondays, Luciana Caletti, lembrando que no formulário de avaliação apresentado aos visitantes do site não há um item específico sobre o tema. Assim, para chegar ao resultado, a equipe do site usou um algoritmo para filtrar as declarações e encontrar quais empresas reuniam mais elogios em relação à oferta de vagas no exterior.
O ranking organizado pelo nível de satisfação profissional final traz 10 multinacionais de diversos setores: bens de consumo, consultoria, tecnologia e comunicações, manufatura industrial e serviços financeiros.
“Temos três das consultorias das Big Four na lista”, diz Luciana, citando o grupo das quatro maiores empresas contábeis especializadas em auditoria e consultoria do mundo: EY, PwC, Deloitte e KPMG. Mesmo que a Deloitte não tenha aparecido, outra grande consultoria, a Accenture marcou presença. “É um sinal de que a oportunidade de carreira internacional está mesmo no planejamento de desenvolvimento de pessoas dessas empresas”, diz Luciana. A seguir, confira quais são as empresas:

 

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

As habilidades não acadêmicas que todo mundo deve ter ao sair da faculdade

Fonte: Shutterstock
Nunca na história tanta gente esteve na universidade. Consequentemente, você precisa encontrar maneiras de se destacar entre todas essas pessoas com qualificações semelhantes às suas, e que estão entrando no mercado de trabalho ao mesmo tempo. Desenvolver habilidades não acadêmicas nunca foi tão importante, principalmente considerando-se a tendência do mercado de contratar quem sabe um pouco de tudo ao invés de pessoas altamente especializadas.
1. Entendimento comercial
Não basta mais só fazer o seu trabalho. Você precisa entender onde a sua empresa está no mercado e como encontrar novas oportunidades para a empresa. Isso significa que é crucial ter conhecimentos não apenas de finanças, mídias sociais ou do seu trabalho especifico. Você também deve conhecer os objetivos da organização e buscar a melhor forma de colaborar com ele. Qualquer um capaz de desenvolver essas habilidades e identificar corretamente oportunidades para usa-las tem grandes chances de se tornar um sucesso.
2. Perseverança
Como já foi dito, o mercado de trabalho pode ser desafiador para recém-formados. Existe inclusive a chance de a sua geração ser uma das poucas na história a ganhar menos que a geração que a precedeu. Mesmo que isso não soe muito encorajador, não será o caso de todos. Aqueles que se manterem determinados e motivados continuarão a garantir os melhores empregos.
3. Networking
Talvez você acredite que já é bom em fazer novos contatos profissionais. Afinal, você conseguiu reunir um número decente de seguidores em várias redes sociais. E mesmo que isso possa ajudar se as suas contas tenham sido bem administradas, construir uma network profissional é bem diferente. Muitos graduados deixam a universidade sem a capacidade de se comunicar profissionalmente com pessoas de diferentes níveis de autoridade na sua área de trabalho. Pode soar óbvio, mas é uma habilidade profissional que um número surpreendente de pessoas simplesmente não tem. Então, se você conseguir desenvolver essa habilidade, ela se torna um diferencial.
4. Trabalhar em equipe
Para quem cresceu praticando esportes em times, essa habilidade pode parecer óbvia, mas um número surpreendente de formados não é capaz de trabalhar efetivamente com outros. Ser capaz de cooperar com um time é uma habilidade profissional essencial, já que organizações procuram sempre maneiras mais fluidas de executar um projeto. As barreiras entre diferentes setores estão sempre quebradas e funcionários são encorajados a pensar em colaboração com os seus colegas. Isso significa que quem não for capaz de fazer isso provavelmente vai ficar para trás.
5. Pensamento global
Com o crescimento da prática dos voos internacionais e outras formas de transporte em massa, sem falar na internet e mídias sociais, o mundo dos negócios se tornou realmente global. Como resultado, é importante possuir uma visão ampla e não pensar nas oportunidades de trabalho como limitadas pelas fronteiras de países.
6. Falar outros idiomas 
Aprender mais de uma língua sempre foi útil. Agora, mais do que nunca línguas além do inglês são cada vez mais úteis. Vale a pena considerar quais línguas serão úteis daqui a dez anos. Agora seria o momento para investir em línguas como o chinês e árabe, devido ao grande crescimento econômico de nações que falam essas línguas.
 

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Nestlé monta sala de jogos em seleção de programa de trainee

O local escolhido para o jogo é um supermercado dentro da Nestlé no qual os participantes terão um tempo determinado para solucionar os casos propostos e que só poderão ser concluídos se exercerem o trabalho em equipe

A Nestlé resolveu inovar neste ano ao criar dentro de suas instalações uma sala do jogo de desafios Escape 60. Essa é a primeira vez que uma empresa promove a dinâmica in company, utilizando uma área no prédio da sede da Nestlé, localizada em São Paulo. O objetivo é verificar as atitudes e habilidades dos jovens de uma forma mais natural e autêntica por meio de situações semelhantes àquelas encontradas na empresa. 

No total, 72 candidatos terão a oportunidade de vivenciar, de 7 a 17 de novembro, desafios que vão exigir a solução de situações do dia a dia. O local escolhido para o jogo é um supermercado dentro da Nestlé no qual os participantes terão um tempo determinado para solucionar os casos propostos e que só poderão ser concluídos se exercerem o trabalho em equipe. O supermercado propiciará a exposição ao cenário real do consumidor, permitindo aos jovens analisarem situações que vão destacar a preocupação da empresa com a qualidade de seus produtos e serviços. 

Os cases foram construídos pensando nos propósitos de marcas da empresa como Nescau, Kit Kat e Nescafé Dolce Gusto. Além disso, a atividade envolve o candidato, desde o primeiro contato, com temas importantes para a competitividade do negócio, como foco no consumidor e market share, além dos princípios e valores da companhia. 
A atividade é uma das últimas etapas do processo de seleção e propiciará ao candidato a Trainee uma experiência muito interativa, pois ele deverá enfrentar situações que exigirão raciocínio lógico, trabalho em equipe, capacidade de influência, habilidades de comunicação e liderança. As vagas são para as áreas de Recursos Humanos, Compras, Finanças, Marketing, Técnica e Vendas.
“Desenvolvemos esse novo processo de seleção para os trainees com o objetivo de oferecer aos candidatos um contexto que tenha sinergia com os valores da Nestlé para que possam demonstrar suas competências e habilidades comportamentais. Essa nova metodologia, além de auxiliar na seleção de futuros líderes para a empresa, também é uma forma de desenvolver o candidato para a realidade do mercado de trabalho”, comenta Luiz Fruet, vice-presidente de Recursos Humanos da Nestlé Brasil.

 

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Como escrever o seu perfil profissional

Você vai se inscrever em uma oportunidade de trabalho e se depara com a exigência de ter um perfil profissional no currículo. E agora? O que é isso? O que come? Como se reproduz? É cada dia mais comum que os RHs peçam esta informação dos candidatos… mas o problema é que ninguém explica exatamente o que é isso, né? Por isso mesmo resolvemos falar um pouco sobre o assunto.
Se você quer entender melhor o que é um perfil profissional, qual deve ser o formato e o que você precisa colocar nele, a gente te dá um norte!

O que é um perfil profissional?

Você conseguiria resumir a sua carreira em algumas frases, mostrando para os RHs as informações mais relevantes do seu currículo? Pois é exatamente para isso que um perfil profissional serve. Além de facilitar muito a vida dos recrutadores, que conseguirão identificar rapidamente se você é a pessoa certa a empresa dele, o perfil é o espaço para você vender o seu peixe!

Como é a estrutura de um perfil profissional?

Não existe uma regra definitiva de como deve ser o seu perfil profissional, mas existem dois formatos muito usados. O primeiro é um parágrafo de texto onde você pode contar um pouco da sua vida profissional, habilidades, e tudo mais que vamos listar mais para baixo. Este modelo te permite usar a criatividade para contar sobre a suas habilidades e experiências profissionais de forma mais interessante.
Se escrever não for a sua praia, não se desespere, o outro formato que citamos provavelmente será mais indicado para você! Faça uma lista com os tópicos mais relevantes da sua carreira, relacionando as suas habilidades e conquistas, a experiência e aprendizados, da mesma forma que faria em um texto corrido.

Dicas para escrever um Perfil profissional

Você está em dúvida de como deve fazer e o que colocar no seu perfil profissional? A gente separou algumas dicas para te ajudar nessa missão.

Seja objetivo e focado no que interessa!

Você não precisa contar a história da sua vida ou listar tudo o que você já fez ou sabe fazer – isso tudo já está no currículo. Faça uma síntese da sua carreira, escolha apenas as experiências, habilidades, formações e projetos que realmente fazem sentido para mostrar o momento profissional em que você se encontra.

Saiba os seus objetivos profissionais

Vá além do “quero um emprego em tal área” na hora de falar sobre os seus objetivos profissionais. Pense grande, seja ambicioso, afinal estamos falando do que você quer construir a longo prazo e não apenas no seu próximo cargo – mostre que você tem planos para a sua carreira.
Não existe uma fórmula mágica para definir os seus objetivos profissionais. Se você quer crescer e se desenvolver na sua área em uma empresa líder do mercado, coloque isso no currículo. Se você quer ocupar um cargo de liderança, escreva isso. O mais importante é que você seja o mais sincero possível, pois o RH provavelmente vai considerar essas informações para elaborar o seu plano de carreira caso você seja contratado! 😉

Mostre que você sabe fazer o que está dizendo que sabe!

Não adianta colocar uma lista de habilidades no seu currículo se você não mostrar que realmente sabe fazer isso. Procure contextualizar os momentos em que você fez algo de relevante que mostram que você realmente manda bem! Cite as suas conquistas, a sua contribuição para o sucesso dos projetos que participou, as suas ideias que foram implementadas nas empresas onde trabalhou, freelas que você fez e até trabalhos de faculdade incríveis.
Muita gente começa o perfil profissional mencionando quantos anos de experiência tem na área de atuação. Esta é uma ótima maneira de mostrar que você já é calejado no trabalho e provavelmente vai dar conta do recado! 

Abuse do bom e velho Português

Escrever bem e não cometer nenhum erro de gramática ou concordância no currículo te dará uma vantagem sobre outros candidatos em um processo seletivo. Dependendo da exigência do recrutador e da empresa, estes detalhes podem ser decisivos entre a contratação e a eliminação. Se você estiver em dúvida se está tudo certinho ou não, peça para algum amigo ou familiar que manje dos paranauês do Português para revisar para você.
Essa matéria foi publicada originalmente pelo Inquietaria do 99Jobs.  

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Sobre a autossabotagem: por que nos bloqueamos para a real felicidade?

A autossabotagem pode nos deixar tristes, mas pelo menos segura e abençoadamente no controle.

Por The School of Life
Embora a felicidade seja, claro, o que todos fundamentalmente queremos, para muitos de nós ela não é realmente o que conhecemos | <i>Crédito: Pexels
Embora a felicidade seja, claro, o que todos fundamentalmente queremos, para muitos de nós ela não é realmente o que conhecemos | Crédito: Pexels
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
É normal esperar que sempre – e quase por natureza – corramos atrás de nossa própria felicidade, especialmente em duas grandes áreas de possível satisfação: relacionamentos e carreiras. Então, é estranho e um tanto enervante descobrir que alguns de nós frequentemente parecemos agir como se estivéssemos deliberadamente decididos a arruinar nossas chances de conseguir aquilo que, aparentemente, fomos convencidos a perseguir.

Ao sair para encontros com pretendentes que soam bons, podemos, repentinamente, começar a ter um comportamento desnecessariamente combativo ou antagonista, ao passo que não temos dificuldade em sermos encantadores com tipos dos quais não gostamos tanto. 

Ou, em relacionamentos, poderíamos levar nossos parceiros à distração por meio de acusações repetidas e injustificadas ou explosões de raiva – como se estivéssemos, de alguma forma, dispostos a causar o triste dia em que, cansados e frustrados, nossos amados sejam forçados a se afastar, ainda solidários, mas incapazes de aguentar tanto drama.

Da mesma forma, poderíamos destruir nossas chances de uma promoção iminente no trabalho quando, do nada, depois de anos promissores, ficamos irritados com nossos gerentes ou, várias vezes, não entregamos relatórios cruciais a tempo para reuniões.
Esse comportamento não pode ser explicado como simples má sorte. Merece um termo mais forte e intencional: é autossabotagem. O que poderia explicar tal destrutividade?

Em grande parte, é por conta do quão enervante a felicidade pode parecer para nós, às vezes. Embora a felicidade seja, claro, o que todos fundamentalmente queremos, para muitos de nós ela não é realmente o que conhecemos. Crescemos em cenários muito mais sombrios e aprendemos a nos acostumar com eles. A perspectiva da felicidade, quando ela aparece, pode, portanto, parecer contraintuitiva e um tanto assustadora. 

Não é o que esperamos e não parece confortável. Podemos preferir escolher o que é confortavelmente familiar, mesmo que difícil, ao que é satisfatório ou bom. Conseguir o que queremos pode parecer insuportavelmente arriscado. Isso nos coloca à mercê do destino: nós nos abrimos à esperança – e à possibilidade subsequente de perda. A autossabotagem pode nos deixar tristes, mas pelo menos segura e abençoadamente no controle.

Pode ser útil manter o conceito de autossabotagem em mente ao interpretar as atitudes mais esquisitas nossas e dos outros. Devemos começar a suspeitar quando nos flagrarmos agindo de forma maluca ou errática perto de pessoas de quem, no fundo, gostamos ou que queremos impressionar.

Além disso, ao encarar alguns tipos de crueldade e falta de confiabilidade nos outros, deveríamos ousar imaginar que as coisas, talvez, não sejam exatamente o que parecem; podemos ter em mãos não um oponente malévolo e virulento, mas um autossabotador quase comoventemente ferido – que merece, principalmente, um pouco de paciência e deve ser gentilmente guiado a parar de se prejudicar ainda mais.

Devemos fazer as pazes com, e ajudar os outros a ver, o quão difícil e enervante pode ser, às vezes, chegar perto do que realmente queremos.
>> Este artigo faz parte do capítulo XX do livro "The Book of Life"